.

domingo, 28 de março de 2010

"Sempre precisei de um pouco de atenção..."

Hoje cedo, a MTV estava reprisando o Acústico do Legião, em homenagem aos 50 anos do nascimento do Renato Russo. E ao ouvir aquelas músicas, os comentários do Renato, o violão do Dado, eu fui levada de volta à minha pré-adolescência... Sem dúvida, o "Acústico MTV - Legião Urbana" foi, junto com o "Arquivo" dos Paralamas do Sucesso, o álbum que mais marcou essa fase tão boa da minha vida, em que eu já tava cansada de ser criança mas ainda era muito nova pra ser qualquer coisa diferente disso, rs

E tal época ainda é recente pra mim, remonta aos anos de 2005/2006. Eu e meus 13 aninhos, já me sentia pronta pra dominar o mundo. Era uma entre as inúmeras pré-adolescentes roqueirinhas do Mundo Mágico de Campo Grande, daquelas que até hoje, procurando bem, é possível encontrar por aí: All Star, calça jeans velha, camiseta preta quase sempre com o nome de alguma banda estampada na frente, maquiagem escura (lápis de olho nessa idade era tão essencial quanto oxigênio ou água potável), uma ou outra tinha o cabelo pintado de vermelho, ou colorido com papel crepom que, quando desbotava, ficava com uma cor de palha de milho que chegava a dar dó. É, eu era assim. Éramos assim. E não éramos as únicas.

Naquela época não existia Twitter e o Orkut não permitia a postagem de mais de 12 fotos, o que era suficiente porque quase ninguém tinha câmera digital pra tirar centenas de fotos, ou Banda Larga pra postá-las... E vivíamos muito bem sem isso. A única coisa sem a qual não vivíamos era música. Aah, o Acústico do Legião... Eu não tinha nem 6 anos quando ele foi lançado, mas aos 13, 14 eu sabia de cor praticamente todas as músicas, escrevia trechos de "Índios" nas carteiras do colégio, e o mais importante, cantava "Faroeste Caboclo" inteira de uma vez só, sem errar uma sílaba, rs.

Claro que havia outras bandas, outras referências, mas Legião Urbana se destacava por ser atemporal. Daqui a 10 anos, se ainda existirem pré-adolescentes como as descritas acima, elas ouvirão Legião, e tomara que elas existam. E o Acústico difere de todos os álbuns pelo clima intimista em que foi gravado, com o Renato super à vontade, e principalmente por ser o que mais se aproxima da realidade dos fãs de Legião, independente se estes admiram a banda antes, durante ou depois da adolescência. Afinal, é a banda mais tocada nas rodinhas de violão espalhadas pelo país, e no Reino Encantado Campograndense não era diferente, sempre que havia alguém munido de violão, voz e companhia no QD, era só esperar que logo saía "Eu Sei", "Meninos e Meninas", "Será", a minha preferida "Teatro dos Vampiros", ou qualquer outra. Aliás, o QD era uma espécie de templo sagrado para os aspirantes a Rockstar de Campo Grande. Era o lugar em que os tipos mais variados (leia-se bizarros) de gente se encontrava: desde roqueiros-malucos-satânicos-drogados-comedores de lixo, até emuxos-fofuxos-de-mal-com-o-mundo, passando por nós, pré-adolescentes que pensavam que eram "Courtney Loves" mas que não chegavam nem a "Avril Lavignes". Na verdade, não passava de uns gramados com
alguns bancos em frente a uma igreja, e pra muitos pais ouvir a frase "seu filho estava no QD" era como ouvir "Seu filho estava usando drogas e se prostituindo". O lugar perfeito pra um bando de malucos que tinham todo o tempo do mundo se juntar e cantar que não tinham tempo a perder...

E de fato, não tínhamos. Afinal, éramos e ainda somos tão jovens...

De lá pra cá, muita coisa mudou. Minhas roupas agora estão mais coloridas, tenho mais de uma calça jeans, e agora uso sandália, rs. Perdi o contato com muita gente que viveu essa fase comigo, mas os poucos com quem eu ainda falo também mudaram, cresceram, criaram juízo. Um ou outro ainda volta no QD de vez em quando, mas já não é a mesma coisa. Até porque bom mesmo era naquela época, hoje em dia a tal pré-adolescência tá chegando cada vez mais cedo, meninas de 11 anos tem 150 fotos no orkut e não sabem sequer quem foi Renato Manfredini Junior.

Daquela idade, ainda guardo três coisas: a velha calça jeans, o All Star e - percebi isso hoje revendo o Acústico - a emoção ao ouvir "Teatro Dos Vampiros".

video

2 comentários:

  1. Excelente postagem! assim como você tbm guardo muitas lembranças da minha adolescência, dos 14 aos 17 foi a melhor. Quanto a Legião Urbana posso dizer que ajudou a formar meu caráter, personalidade e me fez o homem que sou hoje.

    OMNIA VINCIT

    ResponderExcluir
  2. Nossa, descreveu minha adolescência!!
    Saudade do QD, como o tempo passou rapido...krk!

    ResponderExcluir